Palestra sobre Patrimônio em Risco abre 2º dia de Conexões Ibram Rio

Com fala do diretor do Departamento de Processos Museais do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) Cícero de Almeida, o segundo dia de Conexões Ibram no Rio de Janeiro começou com debate sobre um tema caro ao estado, que possui 254 museus e abriga uma dos mais significativos conjuntos de bens culturais musealizados do país.

Ao falar sobre a “Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro”, o museólogo e diretor do Ibram destacou a necessidade de uma política indutora de segurança para o setor museal, que vem sendo amadurecida desde a criação da Política Nacional de Museus, em 2003.

A palestra suscitou discussão entre o público que compareceu ao Museu Histórico do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro, composto por profissionais da área museal das esferas municipal, estadual e federal, além de estudantes, professores e representantes de Pontos de Memória.

“Antes de toda a dificuldade técnica para o estabelecimento de políticas de segurança nos museus, há uma dificuldade comportamental”, explicou o diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram. “Nossa proposta é trabalhar com uma noção mais ampla de segurança, lidando com planejamento para antever riscos. Ao mesmo tempo, o ideal é que a segurança seja um tema invisivel para quem visita o museu, que não interfira no acesso e fruição do acervo“.

A programação do segundo dia de Conexões Ibram no Rio de Janeiro prossegue com mesa sobre o programa Pontos de Memória. Acompanhe.

GT’s temáticos encerram o Conexões Rondônia

O último dia do Conexões Ibram Rondônia foi de discussão acerca dos temas Pontos de Memória, Fomento e Financiamento e Patrimônio Musealizado em Risco. Os grupos traçaram planos de trabalho para o fortalecimento do campo museal em Rondônia.

Adna Teixeira trabalhou os sistemas Siconv e SalicWeb e deu uma explicação geral sobre como cadastrar projetos nos sistemas. Tais Valente falou sobre Patrimônio Musealizado em Risco e atraiu, principalmente, estudantes de arquitetura e arqueologia do estado.

Representantes da sociedade civil, de grupos de capoeira e de instituições museais em Rondônia participaram do GT sobre Pontos de Memória, coordenado por Valdemar de Assis Lima. “O estado tem muitas comunidades indígenas, quilombolas e muita história, um grande potencial para os Pontos”, enfatizou Lima.

Os participantes do encontro saíram satisfeitos e com a expectativa de que o setor museal se desenvolva  a cada dia em Rondônia. “Foi um prazer receber o Ibram aqui e temos certeza que este foi o primeiro passo para uma parceria de sucesso entre o estado e o Ibram”, disse Nazaré da Silva, coordenadora do Cedoc/Biblioteca da Secretaria dos Esportes, da Cultura e do Lazer de Rondônia.

 

Três temas foram debatidos durante o 2º dia do Conexões Rondônia

O segundo dia do Conexões Ibram Rondônia começou com o tema Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado, apresentado pela arquiteta Rafaela Felício (Ibram/MinC).

Felício destacou os principais riscos ao patrimônio por região, mapeados pelo Ibram com base em notícias veiculadas na imprensa; as ações de prevenção que as instituições devem tomar; a importância de um plano de gestão de riscos e de um programa de voluntariado.

Diante de questionamentos do público presente sobre como fazer reparos em pisos de edificações tombadas pelo Iphan, a arquiteta lembrou que no caso dessas construções, qualquer reforma deve ser autorizada pelo órgão.

Em seguida, Valdemar de Assis Lima, museólogo do Ibram/MinC falou sobre o Programa Pontos de Memória. Ele começou sua apresentação exibindo um vídeo sobre o tema, que emocionou os presentes e, em seguida, contextualizou o explicou em que consiste o Pontos de Memória.

Lima enfatizou que a pretensão é que o Pontos de Memória deixe de ser um programa e torne-se uma política pública, “A gente entende que o estado deve assegurar que o direito à memória seja democratizado”. Essa política público de direito à memória está sendo construída com os estados e municípios a partir do Conexões Ibram.

Para finalizar a apresentação dos temas, Adna Teixeira, da Coordenação de Fomento e Financiamento do Ibram falou sobre as formas de fomento e financiamento aos museus.

Ela explicou da importância do setor se articular junto aos deputados, para que estes proponham emendas parlamentares para a área dos museus. “É importante que as emendas sejam destacadas para o setor, que o deputado indique a instituição beneficiada”.

Teixeira também mostrou outras formas de atuação do Ibram, como o Programa de Fomento e Financiamento, que, em 2011, lançou dez editais e prêmios. Em 2012, foram lançados dois prêmios e há previsão de outros lançamentos.

Sobre a assinatura do acordo de cooperação, Adna Teixeira ressaltou que nele não há transferência de recursos, mas, a partir dele, já podem ser pensadas ações em conjunto. “A gente não vem aqui construir, mas a gente pode ser um parceiro nessa construção”.