Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus

Angelo Oswaldo (foto) é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC). Sua nomeação foi publicada no dia 9 de julho no Diário Oficial da União (DOU).

Desde a sua indicação, no mês de abril, Angelo Oswaldo vinha participando de algumas reuniões de trabalho com o intuito de se inteirar das atividades desenvolvidas pelo Ibram.

Nascido em Belo Horizonte (MG), em 1947, Angelo Oswaldo de Araújo Santos é escritor, curador de arte, jornalista profissional, advogado e gestor público. Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1971, e cursou o Instituto Francês de Imprensa, em Paris (1973-1975). Foi crítico literário do Diário de Minas e editor do Suplemento Literário de Minas Gerais.

Redator e editor da cultura do jornal Estado de Minas, colaborou com a Folha de São Paulo, na condição de editorialista. Foi crítico de cultura da Rede Globo Minas e colaborador do Jornal do Brasil. Colaborou ainda com o jornal francês Le Monde e foi consultor literário das Edições Gallimard em Paris.

Como gestor público, foi secretário de Turismo e Cultura da Prefeitura Municipal de Ouro Preto (1977-83), prefeito de Ouro Preto por três mandatos (1993-1996; 2005-2008; 2009-2012), secretário de Estado da Cultura de Minas Gerais (1999-2002), presidente do Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Cultura (2002) e ministro interino de Estado da Cultura do Brasil (1986 e 1987), na gestão do ministro Celso Furtado. Continue lendo.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Matéria relacionada
Presidente do Ibram apresentou aos servidores prioridades da nova gestão

Uma ideia sobre “Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus

  1. Parabéns ao Ângelo Oswaldo! Aqui em Minas conhecemos o belo trabalho feito em sua gestão no município de Ouro Preto e como presidente da Associação Nacional das Cidades Históricas. Desejamos sucesso e que sua gestão possa contribuir para que os museus do Brasil avancem ainda mais para se tornarem centros culturais dinâmicos e capazes de contribuir com o desenvolvimento cultural das comunidades onde encontram-se inseridos. Afinal, ainda temos muitos museus que ainda estão mais lentos do que uma tartaruga!

Deixe uma resposta para Márcia Betânia Oliveira Horta Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>