Conexões Goiás discute preservação e proteção do patrimônio e da memória

“Ainda há muito a ser feito no que tange a proteção do patrimônio no Brasil”, disse Jacqueline Assis, da Coordenação de Patrimônio Museológico do Ibram, no segundo e último dia do projeto Conexões Ibram Goiás.

Ela apresentou o tema Gestão de riscos ao patrimônio musealizado e citou os principais agentes de risco com exemplos de situações críticas ocorridas nos últimos anos. Foram mencionados o roubo de obras no Museu Chácara no Céu e na Estação Pinaconteca, o incêndio em Rio Claro, o terremoto no Haiti e a inundação na casa de Hélio Oititica.

Jacqueline destacou, ainda, que o Ibram estimula os museus a estreitarem contato com diversas instituições, como Corpo de Bombeiros e as policias estaduais, visando o treinamento dos funcionários dos museus. “É importante a conscientização de todos que trabalham nos museus para que situações de risco sejam evitadas”, apontou.

Memória social
O museólogo e arte educador Valdemar de Assis apresentou o programa Pontos de Memória, que atende às comunidades  preocupadas e interessadas em preservar suas memórias e identidades aos presentes ao Conexões Goiás. 

Os Pontos de Memória são iniciativas de memória desenvolvidas por diversos grupos sociais, pautadas na gestão participativa e no vinculo com a comunidade local. Hoje existem 154 pontos de memória mapeados no Brasil. “É a comunidade que conta sua própria história. O Ibram fornece ferramentas que vão ajudar nesse processo, mas não interfere nas ações”, exmplicou ele.

O Ibram apoia essas iniciativas de memória desde sua criação, mas, em 2011, com a criação do Prêmio Pontos de Memória, o programa ampliou suas proporções (saiba mais).  

Texto: Ascom/Ibram

Conexões Ibram conclui ciclo de palestras em Salvador

No dia 22, segundo e último dia do ciclo de palestras do Projeto Conexões Ibram, em Salvador (BA), teve discussões produtivas acerca dos temas propostos.

A manhã começou com a apresentação do tema Patrimônio Cultural em Risco e a integração de Ações Públicas pelo Coordenador de Patrimônio Museológico do Ibram, Cícero Almeida.

A Coordenadora de Museologia Social e Educação do Ibram, Marcelle Pereira, ministrou as palestras sobre o programa Pontos de Memória, que foi ampliado em 2011 após o lançamento do Prêmio Pontos de Memória; e sobre o programa de Formação e Capacitação do Ibram, que, desde 2003 trabalha junto aos cursos de Museologia e promove oficinas pelo país.

Os dois temas mais esperados pelos participantes foram discutidos durante a tarde. A Coordenadora de Fomento e Financiamento do Ibram, Tânia Caldeira, falou sobre as maneiras de fomento e financiamento da área museal brasileira, dentre elas a Lei Rouanet, as emendas parlamentares e o Programa de Fomento aos Museus Ibram – que pretende lançar 10 editais em 2012.

Destaque para o Edital Mais Museus, que agora será aberto a qualquer cidade, independente do número de habitantes, que não tenha instituição museal. O Ibram dará continuidade aos editais Modernização de Museus; Implantação e fortalecimento de Sistemas de Museus; prêmios Modernização de Museus – Microprojetos; Pontos de Memória; Darcy Ribeiro; Mario Pedrosa; Ibram de Arte Contemporânea. Há também o estudo para lançar os prêmios Memória dos Clubes Esportivos e Memória da Diversidade – Samba.

Encerrando as discussões, foi apresentado o projeto Legado Cultural. Patrícia Albernaz, da Coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias falou da importância dos megaeventos esportivos para um país, destacando o legado que eles podem deixar: urbano, social e cultural.

A proposta do Legado Cultural é, ao longo dos próximos três anos, formalizar e implementar uma agenda de investimentos públicos e privados para o setor museal. Patrícia acredita que os recursos irão chegar, mas para isso é preciso que todas as instâncias (federal, estadual e municipal) se mobilizem e apresentem projetos para seus museus.

Na sexta-feira (23), serão formados grupos de trabalho que vão discutir a criação de uma agenda comum e apresentar propostas de trabalho entre o Ibram e a Bahia. Os grupos irão se reunir no Museu de Arte da Bahia e não mais no Palácio da Aclamação, como estava inicialmente previsto. Leia mais no blogue da Dimus Bahia.

Foto: Lazaro Menezes/IPAC