Três temas foram debatidos durante o 2º dia do Conexões Rondônia

O segundo dia do Conexões Ibram Rondônia começou com o tema Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado, apresentado pela arquiteta Rafaela Felício (Ibram/MinC).

Felício destacou os principais riscos ao patrimônio por região, mapeados pelo Ibram com base em notícias veiculadas na imprensa; as ações de prevenção que as instituições devem tomar; a importância de um plano de gestão de riscos e de um programa de voluntariado.

Diante de questionamentos do público presente sobre como fazer reparos em pisos de edificações tombadas pelo Iphan, a arquiteta lembrou que no caso dessas construções, qualquer reforma deve ser autorizada pelo órgão.

Em seguida, Valdemar de Assis Lima, museólogo do Ibram/MinC falou sobre o Programa Pontos de Memória. Ele começou sua apresentação exibindo um vídeo sobre o tema, que emocionou os presentes e, em seguida, contextualizou o explicou em que consiste o Pontos de Memória.

Lima enfatizou que a pretensão é que o Pontos de Memória deixe de ser um programa e torne-se uma política pública, “A gente entende que o estado deve assegurar que o direito à memória seja democratizado”. Essa política público de direito à memória está sendo construída com os estados e municípios a partir do Conexões Ibram.

Para finalizar a apresentação dos temas, Adna Teixeira, da Coordenação de Fomento e Financiamento do Ibram falou sobre as formas de fomento e financiamento aos museus.

Ela explicou da importância do setor se articular junto aos deputados, para que estes proponham emendas parlamentares para a área dos museus. “É importante que as emendas sejam destacadas para o setor, que o deputado indique a instituição beneficiada”.

Teixeira também mostrou outras formas de atuação do Ibram, como o Programa de Fomento e Financiamento, que, em 2011, lançou dez editais e prêmios. Em 2012, foram lançados dois prêmios e há previsão de outros lançamentos.

Sobre a assinatura do acordo de cooperação, Adna Teixeira ressaltou que nele não há transferência de recursos, mas, a partir dele, já podem ser pensadas ações em conjunto. “A gente não vem aqui construir, mas a gente pode ser um parceiro nessa construção”.

Cultura do RS vai lançar edital de fomento a museus em setembro

O percentual de investimento em museus cresceu no Brasil na última década, conforme dados recentes do Ibram, e ontem (22), no segundo e último dia das palestras do Conexões Ibram em Porto Alegre (RS), o tema do Fomento e Financiamento a museus trouxe novidades aos museus gaúchos.

Denise Pereira (foto), diretora de Economia da Cultura da secretaria de Estado da Cultura do RS, apresentou as linhas gerais do primeiro edital da secretaria para a área de museus. São R$ 350 mil via Fundo de Apoio a Cultura (FAC), sendo quatro prêmios de R$ 50 mil, três de R$ 30 mil e outros três de R$ 20 mil. Saiba mais sobre o edital.

Recentemente implantado, o novo fundo para a cultura deve ampliar o acesso aos recursos públicos: “é preciso haver diversificação das fontes de financiamento. O incentivo fiscal é viável mas também pode ser cruel com pequenos projetos culturais. Temos que encontrar outros caminhos”, esclareceu a diretora.

Em sua palestra, Tânia Caldeira, coordenadora de Fomento e Financiamento do Ibram, fez um panorama sobre os mecanismos atuais utilizados pelo governo federal para atender a cultura – como o Fundo Nacional de Cultura (FNC) e Lei Rouanet – e apresentou os editais que compõem o Programa de Fomento aos Museus Ibram. A mediação da mesa foi feita por Simone Flores, assessora técnica do Sistema de Museus do RS.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Financiamento, turismo e museologia social no 2º dia do projeto em SC

A exemplo do que aconteceu no primeiro dia do Conexões Ibram Santa Catarina, um bom público marcou presença na manhã de hoje (15), em Florianópolis (SC), para a segunda etapa do evento – promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) em parceria com a Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

O debate sobre o tema Estratégias de Financiamento e Fomento aos Museus abriu o dia com fala de Adna Abreu, da Coordenação de Fomento e Financiamento do Ibram. Aspectos legais da questão, editais, emendas parlamentares e outros mecanismos de financiamento à disposição do setor foram abordados.

Na sequência, o museólogo Valdemar de Assis, do Departamento de Processos Museais, trouxe a museologia social para o centro das discussões com fala sobre o programa Pontos de Memória.

Implantado em 2009 pelo Ibram, e ampliado em 2011 com a criação do Edital Pontos de Memória, o programa estimula iniciativas de memória desenvolvidas de forma participativa por grupos sociais diversos. O tema atraiu o interesse dos participantes.

Até o momento, o estado de Santa Catarina, que tem sua população constituída por 27 etnias e uma diversidade de comunidades locais, não possui nenhum ponto de memória.

No encerramento da manhã, a especialista em turismo cultural Ana Cristina Viana, da Coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias do Ibram, falou sobre o tema Qualificação dos Museus para o Turismo, quando destacou a necessidade de que o estado, um dos principais destinos turísticos do país, inclua os museus entre as atrações oferecidas aos visitantes.

O tema do Turismo voltará a ser discutido na etapa final do Conexões Ibram Santa Catarina, que acontece na tarde de hoje, em um dos Grupos de Trabalho (GTs) dedicados a formular propostas práticas para o setor museal catarinense. Um segundo GT discutirá os desdobramentos do Plano Nacional Setorial de Museus para a realidade local.

Texto e foto: Ascom/Ibram