Grupos de Trabalho trataram de temas relevantes para a realidade capixaba

O último dia do projeto Conexões Ibram no Espírito Santo, em 27 de abril, foi marcado pela reunião em dois Grupos de Trabalho (GTs) de participantes interessados nos temas Fomento e Financiamento a Museus e Pontos de Memória.

Outro foco de debate dentro dos grupos foi a relevância de uma capacitação continuada para a área de projetos. Neste sentido, a Secretaria de Cultura do Espírito Santo pretende organizar, futuramente, uma agenda de trabalho na qual pretende levar técnicos do Ibram/MinC para ministrar seminários curtos na capital capixaba.

“É interessante perceber as diferenças entre cada estado, os GTs evidenciam muito isso”, notou Luiz Renato Costa, técnico do Ibram que falou sobre o Estatuto dos Museus e o Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM) durante o encontro em Vitória.

Durante os debates, o público também discutiu a importância da articulação do setor, a necessidade de meios de comunicação para um maior conhecimento das políticas e incentivos criados pelos governos e pediram, ainda, maior diálogo entre as esferas municipal, estadual e federal do Poder Executivo.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Legado cultural da Copa: proposta é revitalizar museus no Ceará

Três Grupos de Trabalho (GTs), formados a partir dos temas apresentados durante o Conexões Ibram em Fortaleza (CE), realizaram reuniões ontem (25), no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e na Biblioteca Pública Governador Menezes Pimentel. Os participantes discutiram propostas de ações e definiram um cronograma inicial de atividades.

A partir da apresentação, na terça-feira (24), da coordenadora de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias do Ibram, Ena Elvira Colnago (foto), o grupo decidiu priorizar a destinação de recursos não para a criação de novos museus, mas para a revitalização dos equipamentos culturais já existentes.

Fortaleza será uma das cidades brasileiras que sediará jogos durante a Copa do Mundo de Futebol 2014 e o Ibram/MinC está pactuando com os estados uma agenda de investimentos para o setor museal com foco no legado cultural desse megaevento esportivo.

“Os turistas que vêm ao Brasil não escolhem o país à toa. Eles possuem expectativa do que devem encontrar aqui”, destacou Ena Colnago durante sua exposição. “Temos que estar preparados para recebê-los bem”, completou ela, lembrando que o Brasil espera receber 600 mil turistas estrangeiros e que a impressão deles será transmitida a outros turistas em potencial.

Os outros dois grupos de trabalho que tiveram reuniões nesta quarta-feira foram sobre Pontos de Memória e a Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Marina Cavalcante

Conexões Ibram: Grupos de Trabalho levantam propostas no encerramento na Bahia

Na tarde do dia 23, o evento Conexões Ibram foi encerrado com a apresentação de propostas construídas nos seis Grupos de Trabalho de formulação de agenda comum de trabalho entre o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) e a Bahia.

Os integrantes do GT Estratégias de Fomento e Financiamento decidiram priorizar as seguintes demandas: criação de um convênio para elaboração de plano museológico a partir de parceria entre Ibram, Secult, UFBA e UFRB e a instrumentalização de proponentes para a elaboração de propostas e prestação de contas através da implantação de um núcleo de atendimento.

A ampliação do banco de dados do cadastro de profissionais de museus da Bahia, a garantia de recursos para realizar oficinas em todo o território baiano, através de um convênio entre Ibram e Dimus, e o desenvolvimento de cursos de formação específicos no estado foram as propostas resultantes do GT de Formação e Capacitação.

Já o grupo responsável por discutir os Pontos de Memória salientou a necessidade de realizar um encontro estadual sobre o programa, para que todos possam compreender melhor como os pontos se configuram. Durante a plenária, também foi constituída uma comissão de sensibilização para a formação de Pontos de Memória.

Os participantes que discutiram o tema Sistema e Redes de Informação elaboraram duas propostas: comparação entre Cadastro Nacional de Museus (CNM) e o Guia de Museus da Bahia, com o intuito de promover uma troca de informações, e avaliação do modelo de preenchimento do questionário do Cadastro Nacional de Museus.

As principais preocupações argumentadas pelo GT Patrimônio Cultural em Risco e a Integração de Ações Públicas foram a documentação de acervos musealizados ou passíveis de musealização e o controle e segurança de acervos sacros – categoria mais roubada/furtada no país. Continue lendo.

Texto e foto: Ascom/Dimus