Megaeventos esportivos: qual o legado cultural que fica para o país?

A última palestra do Conexões Ibram RS, ontem (22) em Porto Alegre, foi sobre Legado Cultural: megaeventos esportivos – tema abordado pelo projeto em todas as cidades-sede da Copa do Mundo 2014.

“Temos que investir nos elementos simbólicos e não só em infraestrutura para construir a imagem de um Brasil diverso: isso deve estar presente nas 12 cidades onde os jogos vão acontecer”, pontuou Patrícia Albernaz, coordenadora do Ibram.

Albernaz abordou dados relativos a investimentos e retornos com megaeventos esportivos, assim como a proposta de moblização que o Ibram tem apresentado para o setor de museus. “Esperamos como legado cultural museus qualificados, ampliação de roteiros turísticos e a consolidação de uma ‘cultura de planejamento’ no setor museal”.

Joel Santana, coordenador do Sistema de Museus do RS, fez o contraponto local, citando os primeiros passos do estado para ampliar a participação da cultura durante a Copa 2014. “as cidades-sede já estão construindo suas identidades para o evento: temos que encontrar nossa estratégia de organização”, apostou.

Hoje (23), os participantes do projeto Conexões Ibram RS participaram de quatro Grupos de Trabalho (GTs) – Fomento e Financiamento, Estatuto e Plano Nacional Setorial de Museus, Pontos de Memória – e, em plenária final (acima), apresentaram os tópicos que devem nortear os próximos passos do setor no estado.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Indução ao turismo cultural no Conexões Ibram PE

Museus como “espaço de excelência da diversidade cultural brasileira”, capazes de traduzir um pouco das “identidades e histórias do país” foi um dos conceitos que norteou a apresentação do tema Legado Cultural: megaeventos esportivos no último dia do Conexões Ibram em Pernambuco. O tema foi escolhido porque Recife é uma das 12 cidades-sede da Copa do Mundo 2014.

“Os museus podem ser vistos como canais de indução para o turismo cultural e ajudam a formar uma compreensão do Brasil”, disse Patrícia Albernaz, da coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias do Ibram/MinC.

As cidades-sede na Copa 2014 têm um total de 737 instituições museais – cerca de 23% do total de 3.112 museus mapeados no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Museus. Se ampliarmos o raio para museus nas regiões metropolitanas das capitais, o percentual ultrapassa 33%.

Segundo dados da Fundação do Patrimônio, Artístico e Histórico de Pernambuco (Fundarpe), Recife tem 60 museus mapeados no anel metropolitano. “Até dezembro, já teremos que cumprir a etapa de recebimento e avaliação de pré-projetos por parte destes museus para, a partir de 2013, dar início a execução dos projetos selecionados”, explicou Célio Pontes, diretor de Gestão de Equipamentos Culturais da Fundarpe.

Ainda ontem (14) aconteceram as palestras Estatuto de Museus e Gestão do Patrimônio Musealizado em Risco.

Texto: Ascom/Ibram
Última atualização: 18.6.2012

Conexões Ibram conclui ciclo de palestras em Salvador

No dia 22, segundo e último dia do ciclo de palestras do Projeto Conexões Ibram, em Salvador (BA), teve discussões produtivas acerca dos temas propostos.

A manhã começou com a apresentação do tema Patrimônio Cultural em Risco e a integração de Ações Públicas pelo Coordenador de Patrimônio Museológico do Ibram, Cícero Almeida.

A Coordenadora de Museologia Social e Educação do Ibram, Marcelle Pereira, ministrou as palestras sobre o programa Pontos de Memória, que foi ampliado em 2011 após o lançamento do Prêmio Pontos de Memória; e sobre o programa de Formação e Capacitação do Ibram, que, desde 2003 trabalha junto aos cursos de Museologia e promove oficinas pelo país.

Os dois temas mais esperados pelos participantes foram discutidos durante a tarde. A Coordenadora de Fomento e Financiamento do Ibram, Tânia Caldeira, falou sobre as maneiras de fomento e financiamento da área museal brasileira, dentre elas a Lei Rouanet, as emendas parlamentares e o Programa de Fomento aos Museus Ibram – que pretende lançar 10 editais em 2012.

Destaque para o Edital Mais Museus, que agora será aberto a qualquer cidade, independente do número de habitantes, que não tenha instituição museal. O Ibram dará continuidade aos editais Modernização de Museus; Implantação e fortalecimento de Sistemas de Museus; prêmios Modernização de Museus – Microprojetos; Pontos de Memória; Darcy Ribeiro; Mario Pedrosa; Ibram de Arte Contemporânea. Há também o estudo para lançar os prêmios Memória dos Clubes Esportivos e Memória da Diversidade – Samba.

Encerrando as discussões, foi apresentado o projeto Legado Cultural. Patrícia Albernaz, da Coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias falou da importância dos megaeventos esportivos para um país, destacando o legado que eles podem deixar: urbano, social e cultural.

A proposta do Legado Cultural é, ao longo dos próximos três anos, formalizar e implementar uma agenda de investimentos públicos e privados para o setor museal. Patrícia acredita que os recursos irão chegar, mas para isso é preciso que todas as instâncias (federal, estadual e municipal) se mobilizem e apresentem projetos para seus museus.

Na sexta-feira (23), serão formados grupos de trabalho que vão discutir a criação de uma agenda comum e apresentar propostas de trabalho entre o Ibram e a Bahia. Os grupos irão se reunir no Museu de Arte da Bahia e não mais no Palácio da Aclamação, como estava inicialmente previsto. Leia mais no blogue da Dimus Bahia.

Foto: Lazaro Menezes/IPAC