Três temas foram debatidos durante o 2º dia do Conexões Rondônia

O segundo dia do Conexões Ibram Rondônia começou com o tema Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado, apresentado pela arquiteta Rafaela Felício (Ibram/MinC).

Felício destacou os principais riscos ao patrimônio por região, mapeados pelo Ibram com base em notícias veiculadas na imprensa; as ações de prevenção que as instituições devem tomar; a importância de um plano de gestão de riscos e de um programa de voluntariado.

Diante de questionamentos do público presente sobre como fazer reparos em pisos de edificações tombadas pelo Iphan, a arquiteta lembrou que no caso dessas construções, qualquer reforma deve ser autorizada pelo órgão.

Em seguida, Valdemar de Assis Lima, museólogo do Ibram/MinC falou sobre o Programa Pontos de Memória. Ele começou sua apresentação exibindo um vídeo sobre o tema, que emocionou os presentes e, em seguida, contextualizou o explicou em que consiste o Pontos de Memória.

Lima enfatizou que a pretensão é que o Pontos de Memória deixe de ser um programa e torne-se uma política pública, “A gente entende que o estado deve assegurar que o direito à memória seja democratizado”. Essa política público de direito à memória está sendo construída com os estados e municípios a partir do Conexões Ibram.

Para finalizar a apresentação dos temas, Adna Teixeira, da Coordenação de Fomento e Financiamento do Ibram falou sobre as formas de fomento e financiamento aos museus.

Ela explicou da importância do setor se articular junto aos deputados, para que estes proponham emendas parlamentares para a área dos museus. “É importante que as emendas sejam destacadas para o setor, que o deputado indique a instituição beneficiada”.

Teixeira também mostrou outras formas de atuação do Ibram, como o Programa de Fomento e Financiamento, que, em 2011, lançou dez editais e prêmios. Em 2012, foram lançados dois prêmios e há previsão de outros lançamentos.

Sobre a assinatura do acordo de cooperação, Adna Teixeira ressaltou que nele não há transferência de recursos, mas, a partir dele, já podem ser pensadas ações em conjunto. “A gente não vem aqui construir, mas a gente pode ser um parceiro nessa construção”.

Financiamento, turismo e museologia social no 2º dia do projeto em SC

A exemplo do que aconteceu no primeiro dia do Conexões Ibram Santa Catarina, um bom público marcou presença na manhã de hoje (15), em Florianópolis (SC), para a segunda etapa do evento – promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) em parceria com a Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

O debate sobre o tema Estratégias de Financiamento e Fomento aos Museus abriu o dia com fala de Adna Abreu, da Coordenação de Fomento e Financiamento do Ibram. Aspectos legais da questão, editais, emendas parlamentares e outros mecanismos de financiamento à disposição do setor foram abordados.

Na sequência, o museólogo Valdemar de Assis, do Departamento de Processos Museais, trouxe a museologia social para o centro das discussões com fala sobre o programa Pontos de Memória.

Implantado em 2009 pelo Ibram, e ampliado em 2011 com a criação do Edital Pontos de Memória, o programa estimula iniciativas de memória desenvolvidas de forma participativa por grupos sociais diversos. O tema atraiu o interesse dos participantes.

Até o momento, o estado de Santa Catarina, que tem sua população constituída por 27 etnias e uma diversidade de comunidades locais, não possui nenhum ponto de memória.

No encerramento da manhã, a especialista em turismo cultural Ana Cristina Viana, da Coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias do Ibram, falou sobre o tema Qualificação dos Museus para o Turismo, quando destacou a necessidade de que o estado, um dos principais destinos turísticos do país, inclua os museus entre as atrações oferecidas aos visitantes.

O tema do Turismo voltará a ser discutido na etapa final do Conexões Ibram Santa Catarina, que acontece na tarde de hoje, em um dos Grupos de Trabalho (GTs) dedicados a formular propostas práticas para o setor museal catarinense. Um segundo GT discutirá os desdobramentos do Plano Nacional Setorial de Museus para a realidade local.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Conexões Ibram: encontro na área de Museologia Social foi resultado do projeto no RN

Militantes da Museologia Social do Rio Grande do Norte realizaram, nos dias 24 e 25 de julho, na cidade de Nísia Floresta, o primeiro encontro da Rede de Pontos de Memória e Museus Comunitários do RN.

Durante o encontro no Museu de Nísia Floresta, 65 participantes de 20 municípios potiguares debateram os temas Direito à Memória, Políticas Públicas de Museus, Programa de Memória e Organização e Fortalecimento da Rede de Pontos de Memória no estado.

De acordo com o coordenador da área de museus da Secretaria de Estado de Cultura do Rio Grande do Norte, Hélio de Oliveira, o encontro das experiências de Museologia Social foi mais um desdobramento do projeto Conexões Ibram no estado. Saiba mais.

“O Conexões Ibram foi vital para o setor museológico potiguar, que se encontrava árido. Agora, 60% dos municípios encontram-se compromissados com essa nova dinâmica no setor por meio de políticas públicas”, disse.

Diversas atividades culturais que articulam pesquisa e difusão da memória tiveram lugar durante os dois dias. O público pode participar da contação de histórias e da apresentações de Boi-de-Reis e de mestres da cultura popular (foto).

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Pontos de Memória