Palestras sobre temas relevantes para a área de museus da Paraíba

Após a abertura do Conexões Ibram na Paraíba, hoje pela manhã em Campina Grande, começaram uma série de palestras em torno de temas relevantes para o setor museal – contando com ativa participação dos paraibanos.

O Programa iMuseus consiste em disponibilizar informações sobre os museus e para os museus. A apresentação, realizada por Karla Uzeda – coordenadora do Cadastro Nacional de Museus (CNM) -  teve como foco a apresentação de informações sobre as instituições museológicas brasileiras a partir da publicação Museus em Números.

“Temos que criar instrumentos que nos permitam aprofundar as políticas públicas e conhecer melhor o setor”, disse Karla Uzeda. ”O Cadastro Nacional de Museus se propõe a conhecer e mapear a diversidade museal brasileira, tendo em vista o Plano Nacional de Cultura (PNC) e o Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM)”, completou.

Com 63 museus mapeados em 2010, atualmente já são 67, o estado tem em média um museu para cerca de 57,8 mil habitantes – uma das maiores médias do nordeste. Saiba sobre os museus paraibanos no Informativo Temático sobre o estado.

À tarde, Janete Conceição, analista do Departamento de Difusão, Fomento e Economia de Museus (DDFEM) do Ibram, esclareceu pontos importantes sobre o plano, desde sua elaboração até o papel essencial dos estados para a sua implantação.

O primeiro dia do Conexões Ibram Paraíba encerrou-se com o tema Estatuto de Museus. Ana Maltez (foto acima), assistente do Departamento de Processos Museais (DPMUS) do Ibram, colocou em pauta os museus como intrumento de promoção da cidadania, função de valorização da diversidade e inclusãp social, citando ainda detalhes do decreto de regulamentação do estatuto, já enviado à Casa Civil da Presidência da República. Conheça a programação dos próximos dois dias do evento na Paraíba.

Texto e foto: Ascom-Ibram

 

GTs apresentam propostas para o setor museal do RJ

Após dois dias de apresentações e debates sobre alguns dos principais instrumentos de gestão oferecidos pelo Ibram ao campo museal brasileiro, em diálogo com a realidade local, o terceiro e último dia de Conexões Ibram Rio de Janeiro foi dedicado à discussão de agendas prioritárias para o setor museal fluminense em Grupos de Trabalho.

Durante toda a manhã e tarde, foram debatidos os temas Plano Estadual Setorial de Museus, Legado Cultural, iMuseus, Estatuto dos Museus e Estratégias de Fomento e Financiamento aos Museus.

Dividido em Grupos de Trabalho, o público presente, composto por profissionais e gestores da área, elaborou propostas com base nas palestras apresentadas e nas ações contempladas no Termo de Cooperação, assinado entre Ibram e Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro, na quarta-feira (26).

“A ideia é estabelecer uma agenda de trabalho de curto e médio prazo entre atores do estado e o Ibram”, explica a coordenadora de Produção e Análise da Informação do Ibram, Mayra Resende.

A programação do Conexões Ibram Rio de Janeiro foi encerrada com apresentação do Quinteto de Jazz do Corpo de Bombeiros.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Caru Ribeiro -SEC-RJ

Informação é essencial para desenvolver ações na área de museus

O estado do Pará conta atualmente com 42 museus, sendo a maioria deles (74,1%) administrada pelo poder público. O Informativo Temático Pará foi apresentado ontem (7) no Conexões Ibram, durante a palestra iMuseus – que consiste em disponibilizar informações sobre os museus e para os museus.

“A partir da publicação Museus em Números, realizamos um recorte de informações sobre cada um dos estados para gerar os informes temáticos”, explicou Mayra Resende, coordenadora na área de informações museais do Ibram/MinC. A edição Pará do Informativo Temático está aqui.

Riscos e Plano Setorial
Patrimônio Museal em Risco, Plano Nacional Setorial e Estatuto de Museus foram os outros tremas tratados no primeiro dia do Conexões Ibram em Belém. Taís Valente (foto), técnica no departamento de Processos Museais do Ibram, apresentou os principais agentes de risco ao patrimônio museológico, citando a falta de informação com destaque: “se não temos informação sobre o acervo, fica muito difícil, em uma situação de risco, realizar a proteção de uma obra, por exemplo”, explica.

Mobilização e atuação conjunta e diálogo no setor de museus entre os entes federais, estaduais e municipais foram o mote da palestra sobre o Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM) – apresentado por Patrícia Albernaz (esq.), da coordenação de Difusão e Desenvolvimento de Parcerias do Ibram/MinC.

A última palestra do dia, sobre o Estatuto de Museus, tratou do documento, atualmente em processo de sanção presidencial, que precisa ser apreendido pelo setor. “O estatuto brasileiro vai se aproximar a de outros países que possuem legislações específicas para museus”, esclareceu Taís Valente. Saiba mais sobre o projeto Conexões Ibram.

Texto e foto: Ascom/Ibram